Espiritismo e Psiquê




25 de nov de 2012

Amizade




    Nos últimos dias tenho pensado muito sobre a amizade e hoje me veio a vontade de escrever. Pois bem, o que falar de amigos? Não amigos que temos em nossa família (eu poderia escrever um livro de pessoas especiais da minha família), mas daqueles que a vida nos proporciona.
  Uma vez, muito tempo atrás, recebi um e-mail de um amigo, que falava mais ou menos assim:
  "Nossa vida é como uma viagem de trem. Em cada estação que ele para, entram várias pessoas. Algumas permanecem em nosso vagão durante a viagem inteira, mas sem que consigamos conhecê-las; outras vezes, há pessoas que entram no vagão e nos fazem sorrir o tempo todo, descendo pouco tempo depois e deixando aquele carinho enorme.
   E assim a viagem vai seguindo... as estações vão mudando, sem aqueles que, apesar de terem descido do "trem da vida", jamais descem do nosso coração."
  Parece romântico, mas essa analogia se encaixa com minha própria vida, pois desde pequena nos mudamos muitas vezes de cidade por causa do emprego do meu pai - então, Jesus.... posso montar uma consultoria de mudança tranquilamente. Mas, no meu "trem", eu me lembro de muitos amigos desde a infância que eu carreguei um bom tempo em meu vagão, e que já foram embora - confesso que o tempo nos amadurece e em cada parada a despedida é mais difícil e dolorosa....
   Às vezes, me acho uma pessoa meio estranha, porque gosto de ficar sozinha, sinto um certo prazer em pensar "que legal! vou poder assistir àquele filme a que já assisti mais de dez vezes e que só eu suporto; ter aquele momento comigo mesma; pintar minhas mandalas no silêncio; meus artesanatos; suspirar ao ler um livro". É tudo muito solitário, a profissão que escolhi me exige uma certa dose de solidão e concentração.
  A vida me colocou em situações que tive que ficar muito tempo sozinha em casa, confesso que no começo foi bem difícil (para quem já morou em casa com oito pessoas), mas depois parece que você começa a querer se preservar, literalmente, só querer para si e para seu convívio aqueles que realmente te alimentam, sem preconceitos ou julgamentos.
  Quando se pensa em espiritualidade, tudo ganha - sempre - um colorido diferente. Pensar que encontrar amigos agora é na verdade reencontrá-los de muitas vidas é tão consolador. Como diz a letra de uma música:

  "A amizade sincera é um santo remédio, é abrigo seguro .... por isso, se for preciso, conte comigo, amigo disponha..."

  A solidão já me ensinou muitas coisas, mas poder conviver com amigos apresenta outro ensinamento, o da troca, de partilhar suas ideias, suas angústias, de aprender literalmente com aquele outro ser.
  Há certas pessoas que o tempo não apaga... tive um amigo desses que conhecemos mesmo sem querer, aquele que nos cativa, com quem se fica sentado conversando muito tempo, que se tenta ajudar... este amigo muito querido um dia foi embora sem despedidas, deixando um vazio enorme. Eu estava no trabalho, e o telefone tocou me avisando de seu suicídio, coincidência ou não, falava sobre ele para umas amigas do meu trabalho.... Pulou ele do meu trem em movimento, e eu não vi...
  Deus, essa força maior, com o tempo sempre nos consola e nos ajuda, e um novo reencontro ele nos dará!
  Falando de reencontros, a vida me deu de presente nos últimos anos amigos aos cachos, também lá se foram três estados percorridos, e daqui a quinze dias mudaremos de novo, vou reencontrar amigos, mas meu coração se aperta em pensar que três muito especiais (motivo desta postagem) vão ter que descer do meu trem – temporariamente, espero - só que eu não quero parar nessa estação, meus freios não querem funcionar, o que fazer então??
  Oração, oração, lágrimas e oração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário