Espiritismo e Psiquê




29 de out de 2012

PSICOSE PUERPERAL




    Queridos leitores,
   Continuando o estudo do livro: Aspectos Psiquiátricos e Espirituais nos Transtornos Emocionais -, chegamos à Psicose Puerperal, texto do médico Bezerra de Menezes.
   Decidi neste tópico não fazer resumo, pois se trata de uma mensagem curta e assim posso manter fidelidade às palavras escritas.

   Explicações iniciais:
   Puerperal – relativo a puerpério.
  Puerpério – período de aproximadamente seis semanas após o parto, em que os órgãos genitais e o estado geral da mulher retornam à normalidade.


   Psicose Puerperal

“ - Tecnicamente, a produção de hormônios, que se faz normalmente, torna-se fator do desequilíbrio, em razão de os mesmos se transformarem em toxinas que, atuando no complexo cerebral, terminam por desarranjar a estabilidade psíquica. Mesmo em fenômeno de tal ordem, meramente fisiológico, defrontamos o Espírito devedor, que volve à forma feminina sob a injunção do distúrbio para recuperar-se do mau uso passado das funções genésicas.
  “Observa-se, igualmente, que o desarranjo hormonal sucede em jovens e senhoras durante o período catamênico, alterando o comportamento, que tende à excitação psíquica para posterior queda depressiva.
   “O espírito é sempre o responsável pelo corpo de que se uitiliza, suas funções físicas e psiquícas, que decorrem das realizações pretéritas e do uso nobre ou vulgar, elevado ou pervertido que lhe atribui.
  “Nessa condição de devedor, mais facilmente sintoniza com outros Espíritos, na mesma faixa de evolução, ou em condição inferior, perante os quais se encontra em débito, facilitando, o quadro genérico das obsessões.
   “- No caso em tela, a nossa paciente somou às antigas uma nova e grave ação infeliz que a jugula, por natural processo de reparação, àquele a quem novamente prejudicou, quando poderia auxiliá-lo.
  “Quando os homens compreenderem que o amor é sempre mais benéfico para quem ama, muitos males desaparecerão da Terra, e a etiopatogenia de inúmeras enfermidades diluir-se-á, sustando a sua erupção.
   “Enquanto, porém, o egoísmo governar o comportamento, a dor se atrelará às criaturas, realizando o mister de conduzi-las para o equilíbrio, a ordem, o bem que são as fatalidades da evolução.”

Bezerra de Menezes

Um comentário: