Espiritismo e Psiquê




22 de mar de 2012

Viktor Frankl


     Em várias de suas falas, Divaldo Pereira Franco cita o médico psiquiatra austríaco Viktor Frankl. Joanna de Ângelis em alguns de seus livros também comenta acerca dos estudos desse mesmo autor. No ano passado, tive a oportunidade de assistir ao DVD " A arte de lidar com situações negativas", palestra ministrada por Alberto Almeida, gravada no dia 03/07/2010 em, Campo Mourão - PR.
     Como aqui não falarei da biografia do psicoterapeuta Viktor Frankl, deixo abaixo o link para maiores informações sobre sua vida e carreira.
     Viktor Frankl é o fundador da escola de logoterapia, a terapia do sentido.
     Em sua palestra, Alberto Almeida cita pequena parte da vida do psicoterapeuta, mas especificamente o período em que permaneceu preso em um campo de concentração pelos nazistas.
     Viktor sobreviveu a esses anos de sofrimento com pequenas atitudes que o ajudaram a "ressignificar a experiência negativa".

      Dentre elas:
      Ter sempre bom humor;
      Cuidar da aparência física (fazer a barba);
      Capacidade do ser humano em se adaptar;
      Lembrar das pessoas queridas, amadas;
      Ter momentos de prazer;
      Ajudar para ser ajudado;
      Liberdade dentro de si próprio;

      Viktor procurava no campo de concentração manter o bom humor com os amigos, isso aliviava as tensões da triste realidade. Cuidava de sua aparência física, para manter-se motivado, se reconhecer. Observava que os presos que não tinham essa atitude facilmente se encontravam em desânimo.
      Possuía a capacidade de se adaptar à nova realidade imposta (não apresentava cáries, tinha ferimentos que não infeccionavam), o que não ocorria com alguns de seus companheiros que facilmente adoeciam.
     A lembrança de sua esposa (pessoa amada) o fazia ter objetivo. Todos os dias tinha que caminhar 6 km para o trabalho forçado, apesar do desgaste físico, pensava que sua esposa sempre o estava olhando, então não podia desistir, precisava que a companheira se orgulhasse dele.
      "Imaginem nossas esposas nos olhando neste momento, e a caminhada passava rapidamente"
       O momento de prazer no campo de concentração era durante as refeições. Comer era prazeroso, portanto Viktor sempre reservava um pedaço de pão para comer mais tarde, pois esperava  durante o dia por mais este momento de "prazer".
        Ajudar para ser ajudado. Observava-se que aqueles que sobreviviam não eram os fortes fisicamente mas sim aqueles que possuíam um ideal ou uma religiosidade.
        Liberdade dentro de si próprio. Prende-se o homem, mas não a sua mente, a mente é livre, sendo assim importante para se desprender da realidade vivida, experimentando novas possibilidades de pensar, agir, criar, idealizar, projetar o futuro, essa atitude de Viktor o ajudou a manter equilibrada a sua saúde mental.
        Durante o Natal, o psicoterapeuta relata que muitas pessoas morriam, pois havia anos que estavam presos, sem perspectiva de mudança, a saudade das pessoas queridas, a falta de respostas e a angústia faziam que a imunidade baixasse levando-as a adoecer rapidamente.

       "O homem pode encontrar sentido em cada situação da vida e, ouvindo sua consciência, dar-lhe uma resposta adequada"

        Alberto Almeida nessa palestra nos elucida que muitas vezes nos perguntamos: "O que eu quero da vida?". Esta não seria a pergunta mais adequada, pois gera FRUSTRAÇÃO e percebemos que não podemos ter tudo o que queremos.
         A pergunta correta é: "O que a vida quer de mim?" - Atingimos assim o nível da CONSCIÊNCIA. Aprendemos constantemente com a nossa vida cotidiana tanto para as alegrias, quanto para as mazelas.

          "Quem tem porque viver, pode suportar qualquer coisa"
                                                                 Nietzsche

         Podemos fazer 5 perguntas importantes para lidar com as situações negativas.
            O quê? (identificar o sofrimento)
            Quem? (quem é o responsável, apropriar-se da angústia)
         O porquê? (herdeiro de si mesmo / reencarnação)
            Para quê? (o sentido)
            Mas como? (atitude de renovação)
     
         "Corremos para dentro da caverna quando olhamos a nossa chaga"

          O palestrante Alberto Almeida nos ensina a importância de RESSIGNIFICAR A EXPERIÊNCIA NEGATIVA. Diz que somos arquitetos da nossa própria infelicidade; é necessário fazer a dor como pedestal; temos que ir além do ego, mergulhar em nós mesmos; a arte da mudança; somos seres iluminados em processo de expansão gradual.
         
          Penso sempre em como é importante o ato de levar seu conhecimento para adiante e como isso se transforma em uma imensa corrente do bem. Isto também é caridade. Viktor Frankl ressignificou sua experiência negativa vivida no campo de concentração e fundou a escola de logoterapia, que ajudou a tantos outros, como Alberto Almeida que divulga esse conhecimento do médico judeu em suas palestras. Assim como também os amigos anônimos que a gravaram, permitindo que estas  chegassem por meio de um doador até a biblioteca de um Centro Espírita e, consequentemente, a mim, que a assisti.
      Por fim, agora também estou repassando esse conhecimento e espero que você que esteja lendo continue a corrente!!


                                                                                                    


      

Nenhum comentário:

Postar um comentário